Das profundezas do underground para o mundo! “Criaturas del Inframundo” Split do Ruim e Trampa

Nenhuma descrição de foto disponível.

O dia do trabalhador nos presenteou com mais esse ótimo trabalho, que em breve será resenhado aqui no blog. As bandas Ruim (banda que é de Fortaleza/CE) e Trampa (punk de Bogotá) acabaram de disponilizar um split fuderoso nas plataformas de streaming. Lançado graças ao suporte da Mercúrio – Gestão, Produção e Ações Colaborativas.

Depois de um hiato de quase 3 anos do lançamento de nosso primeiro EP é com grande satisfação que divulgamos a capa e anunciamos o lançamento de nossa próxima cria intitulada “Criaturas del Inframundo”, um Split EP com nuestros hermanos latinos Trampa de Bogotá/Colômbia. O material conta com 4 sons de cada banda e será lançado digitalmente dia 1° de maio pela Mercúrio – Gestão, Produção e Ações Colaborativas . A arte da capa é assinada originalmente por Wilson J. Melo, adaptada por Jaime Chang y Tiago Sousa.

1. Intro
2. Sem Sombra
3. Beco Cinza
4. Caminho Maldito
5. Odor
6. Víctimas
7. Genocídio
8. Vida
9. Muerte

Lado Ruim foi gravado, mixado e masterizado por Eduardo “Dudu” Madeira no estúdio do Cuca Mondubim Rede Cuca Fortaleza
Lado Trampa foi gravado, mixado e masterizado em Rat Trap com ajuda de Fuerza Ingobernable.

“Depois de um hiato de quase 3 anos do lançamento de nosso primeiro EP é com grande satisfação que divulgamos a capa e anunciamos o lançamento de nossa próxima cria intitulada “Criaturas del Inframundo”, um Split EP com nuestros hermanos latinos Trampa de Bogotá/Colômbia. O material conta com 4 sons de cada banda e será lançado digitalmente dia 1° de maio pela Mercúrio – Gestão, Produção e Ações Colaborativas . A arte da capa é assinada originalmente por Wilson J. Melo, adaptada por Jaime Chang y Tiago Sousa.”

1. Intro
2. Sem Sombra
3. Beco Cinza
4. Caminho Maldito
5. Odor
6. Víctimas
7. Genocídio
8. Vida
9. Muerte

Lado Ruim foi gravado, mixado e masterizado por Eduardo “Dudu” Madeira no estúdio do Cuca Mondubim Rede Cuca Fortaleza. Lado Trampa foi gravado, mixado e masterizado em Rat Trap com ajuda de Fuerza Ingobernable.

https://ruimpunk.bandcamp.com/album/criaturas-del-inframundo
.
https://mercuriomusica.bandcamp.com/album/criaturas-del-inframundo

Com Muito Mais Energia, Sangue Ódio Hardcore Retorna Com Lançamento de Single

Após anos de hiato, a banda Sangue Ódio Hardcore retorna aos palcos já lançando um novo single em lyric video produzido por Marcelo Silva. “Ousar lutar, ousar vencer” foi inspirada na frase de Carlos Lamarca ( militar desertor e guerrilheiro brasileiro, um dos líderes da luta armada contra a ditadura militar instaurada no país em 1964).

A banda planeja lançar um novo EP em breve. Enquanto isso não acontece, confira o single:

Questions Lança Clipe de “Achismos”

A banda de hardcore paulistana Questions, em atividade desde 2000, lançou o clipe do Single “Achismos” que vai compor seu primeiro álbum totalmente em português. A nova música do Questions, diz muito a respeito do mundo em que vivemos, com ódio, questionamentos rasos, inveja e violência gratuita.

O álbum sairá no Brasil pela Resista! Records e na Europa pela Toanol Records, Underdogs Clothings, Mustard Mustache

Questions é: Edu Andrade: Vocal Pablo Menna: Guitarra/Vocal Eduardo Sasaki: Bateria Helio Suzuki: Baixo

Produzido por Danilo Souza and Fernando Uehara no Estúdio Toth Guarulhos, SP – 2018 Mixado por Gabriel Zander masterizado por Alan Douches no West West Side

Direção de fotografia: Luiz Trezeta

Confia a letra:

ACHISMOS

ódio, inveja, não sei porque que neste mundo só impera o achismo mensagens de ódio com tanto rancor violência gratuita cadê o seu pudor? mente obscura/negligente vivem sem saber mente obscura/negligente onde o tempo é o seu tempo em vão sua mente é fechada a alma é vazia, não aceita as diferenças de um povo excluído que luta há séculos por direitos iguais e que cresceram sem estudos, condições e ideais insensatez sua presunção sua negação sua presunção direi sempre não seu coração é pura inveja a sua mente é obscura com fundamentos inexistentes da soberba que te envaidece direi sempre não

“Ablaze” do Nervochaos: Death Metal Que Nos Leva Ao Inferno

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas em pé, barba e atividades ao ar livre

Lançado mundialmente pelo famoso selo holandês HAMMERHEART RECORDS, o novo disco do Nervochaos, ‘Ablaze’, já está disponível para venda em território brasileiro. Gravado no Alpha Omega Studio, na cidade de Blevio, Itália, ao lado do produtor Alex Azzali que também o mixou e masterizou. Teve toda a arte do álbum criada por Nornagest (Ibex Designs), que já trabalhou com nomes como Enthroned, Morbid Angel, Destroyer 666 e muitos outros.

Ablaze é com certeza o melhor trabalho do Nervochaos até o momento, com identidade e evolução criativa nas músicas. Altamente recomendado a fãs de SARCÓFAGO ou MYSTIFIER, a banda apresenta um retorno ao death/thrash metal da velha escola, eles incorporaram também alguns detalhes do black metal com uma pegada mais crua, primitiva (nada mais acertado, tendo em vista a temática do álbum).


As letras falam basicamente e satanismo, com destaque principal ao último som “Of Evil and Men”, que traz uma introdução sinistra, como uma pessoa atormentada por demônios. Com vocal forte e riffs melódicos, além de grooves que introduzem ao sentimento da nossa entrada ao inferno, seguidos uma pegada mais hardcore que, com certeza, será um momento de moshs nos shows. Outro som que merece menção é o “Cave Bestiam”, também com uma intro falada, o instrumental é tenso e com vocais rasgado e gutural intercalados, muito bem posicionados, como em uma conversa entre demônios.

Com cerca de 50 minutos, trata-se de uma visita ao inferno. Apesar do tempo mais longo, não é cansativo ou enjoativo. Você realmente se sente imerso em um mundo paralelo, pois existe um andando diferente para cada som que hora é mais enérgico, hora mais lento e com mais groove, em outros momentos há mais agressividade, em outros, tensão… O fato é que é um álbum criativo, muito bem composto e mixado. Parabéns e vida longa ao Nervochaos.

O disco conta com nada menos que 16 faixas, distribuídas assim:

1. Necroccult
2. Demonic Juggernaut
3. Feast of Cain
4. Whisperer in Darkness
5. Death Rites
6. Shamanic Possession
7. Into Nightside
8. Cave Bestiam
9. Dawn of War
10. Mors Indecepta
11. Stalker
12. My Dues
13. Downfall
14. A World Between Worlds
15. Walk Away
16. Of Evil and Men

Para comprar o álbum, que em sua versão nacional vem com slipcase, ele está disponível diretamente no site da Hammerheart Brasil, pelo link:

https://hammerheartbrasil.loja2.com.br/8958108-NervoChaos-Ablaze-CD

De ‘Ablaze’ foram tirados alguns vídeos, confira:

‘Demonic Juggernaut’ – https://youtu.be/Q6Um0BeNmCk
‘Of Evil and Men’ – https://youtu.be/XWseAUqPteM
‘Whisperer in Darkness’ – https://youtu.be/6x5t65X6vbk
‘Feast Of Cain’ – https://youtu.be/ccTwEsfFLJQ

O NERVOCHAOS já está no Oriente Médio onde inicia sua nova turnê mundial nesta sexta-feira, 7 de junho, na cidade de Dubai. Depois disso, o Tanque de Guerra visita Ásia, Oceania e Europa em quase 50 shows em 3 meses.

Em setembro o grupo já tem agendado datas pelo México e em breve anunciará mais datas pelas Américas com presença, claro, em nosso país.

Links relacionados:
E-Mail: nervo666@hotmail.com
Site: http://www.nervochaos.net
Facebook: https://www.facebook.com/NervoChaos
Instagram: https://www.instagram.com/nervochaos
YouTube: https://www.youtube.com/nervochaos
Spotify: https://open.spotify.com/artist/79Zxs7jzzD0sCwnYOUCKGx
iTunes: https://itunes.apple.com/br/artist/nervochaos/570172609
Metal Media: http://www.metalmedia.com.br/nervochaos

“Death to Bolsobanger” – Rope Bunny

Foto por Steph Ciciliatti (Flashbanger)

” Morte aos moralistas! Aos preconceituosos, racistas, homofóbicos, supremacistas, xenofóbicos e sexistas. Morte ao governo do ódio em nome de deus, do obscurantismo em nome do lucro, da ignorância em nome do poder. Morte aos retrógrados e opressores. Fuzilaremos todos os torturadores! Morte àqueles que se calam diante das injustiças e aos que glorificam o belicismo e a ignorância. Não é hora de ciranda. A arte de resistência deve ser combativa. Nossos discursos devem trazer à luz as perversidades dos governantes. Devem denunciar os preconceitos difundidos por suas falas. Só assim aniquilaremos os falsos messias.”

É assim que Rope Bunny (One Man band) apresenta seu mais novo trabalho: Death to Bolsobanger. Um som que tem uma levada stoner e progressivo, que tem influências que vão de Darkthorne a Janis Joplin. O single contém algumas das falas absurdas de Bolsonaro, seguidas de falas quase sussuradas, seguidas da palavra de ordem: MORTE AOS BOLSOBANGERS. De fato, esse tipo de metaleiro conservador não tem espaço na cena e não deve ter espaço.


Erison Brayon Batista (Forasteiros) e ao Lougans Lima (@thevipsmusic) foram parceiros na produção do EP, que saiu pela Pisces. A arte ficou a encargo de Steph Ciciliatti (Flashbanger). 

Ação Direta lança clipe novo

Com 30 anos de história, o AÇÃO DIRETA Celebra este 1º de Maio com o lançamento de um clipe que ataca duramente a ascensão da extrema direita no Brasil e no mundo.

Dirigido por Marco Del Giorno, da Insanidade Filmes, e com Roteiro do Vocalista Paulo Gepeto, o Clipe de Artificial mistura imagens da Banda com cenas que exaltam a cultura do ódio, do preconceito e da intolerância.

Formado no ABC Paulista, em São Bernardo do Campo, o Ação Direta prepara seu Novo Disco, o 9º da longa e produtiva carreira da Banda.

O Álbum será lançado no 2ª Semestre pela Monstro Discos em parceria com a Xaninho Discos e, na Europa, vai ganhar versão em Vinil pela Break the Silence Records, da Alemanha.

GEPETO (voz), ST.DENIS (guitarra), GALO (baixo) e MARCÃO (bateria) estão gravando no Bay Area Estudios, em São Paulo, com produção de Diego Henrique Rocha.

Artificial é o Primeiro Single desse novo trabalho da Banda. A música, assim como o conceito de todo o disco, ataca esse momento político do Brasil e do Mundo, com vários Políticos de Extrema Direita tomando o poder e incitando, pelas redes sociais ou pela mídia, o ódio, a intolerância, o preconceito e a opressão das minorias.

Com um som furioso, que faz um Crossover de HardCore e Metal, o Ação Direta apresenta originalidade e letras com temáticas fortes e de críticas sociais, do comportamento humano e que instigam reflexões e questionamentos. No novo trabalho, o quarteto se posiciona e deixa seu recado de alerta às escolhas feitas nas urnas por milhares de brasileiros e a preocupação com as consequências no presente e no futuro.

Produção: Insanidade Filmes
Apoio: Studio Mó | Bay Area Estudios | Evoke Eyewear | Denis Delibra | Monstro Discos | Xaninho Discos | Break the Silence Records | Orion CymbalsPearl Brasil |

CONTATOS:
SITE: acaodireta.net
INSTAGRAM: @acaodiretaoficial
E-MAIL: bandaacaodireta@gmail.com
FACEBOOK: facebook.com/acaodiretaoficial

Mercy Killing “Escravo Neoliberal”

Mercy Killing é uma banda que existe desde o final dos anos 80 (formada em Salvador/BA), que tem feito muito pelo thrash metal curitibano (cidade da atual formação). No final de abril eles disponibilizaram o EP “Escravo Neoliberal”, que tem a postura antifascista como temática central.

O EP foi gravado no Caveirão abd MM Studios entre janeiro e março desse ano e teve a arte de capa assinada por Ibere Jones.

Com três sons, “Escravo Neoliberal” nos faz querer ouvir mais umas duas ou três vezes, o trabalho (esperamos que a banda traga um full em breve). Tumulto é um som que tem referências a truculenta ação do Governo do Estado do Paraná ordenada pelo governador (na época) beto richa e pelo secretário de segurança, Fernando Francischini, contra os Servidores Públicos do Estado, notadamente os Professores da Rede Pública de Ensino. O som tem um instrumental muito bom, com destaque às viradas de bateria que com certeza vão anunciar os mosh pits. O refrão fica facilmente em nossa cabeça: protesta! porrada, reclama! porrada. Na sequência, Sufrágio é um som que critica o dito cidadão de bem, que é alimentado com ódio e mentiras. “Retrato imundo da sociedade” é o som favorito dos fãs de thash metal tradicional, com passagens clássicas do estilo. É antes de tudo um som anticapitalista.

O grande destaque fica para os vocais rasgados de Tati Klingel, que tem uma métrica perfeita e muita personalidade em seus timbres. 

Para você que acha que o metal é conservador e reacionário, Mercy Killing é uma das bandas que está há décadas na resistência antifascista e anticapitalista. Todo o nosso respeito!

Links relacionados:

Bandcamp:
https://mercykillingbr.bandcamp.com
Facebook:
https://www.facebook.com/mercykillingBR/

MANGER CADAVRE? “AntiAutoAjuda”

Hoje, no dia do trabalhador, a banda de hardcore crust do interior de São Paulo, Manger Cadavre? liberou o seu mais novo trabalho, o álbum “AntiAutoAjuda” nas paltaformas de streaming e com download gratuito pelo bandcamp. A data não poderia ser melhor: AAA é mais que um disco, é uma narrativa, é um manifesto sobre a degradação real do trabalho e que tem consequências diretas na saúde física e psicológica do trabalhador em um sistema cruel, com uma sociedade de consumo.

Esse, que é o primeiro full album da banda, coloca a Manger em um novo grau de maturidade sonora. Eles gravaram nos últimos dias de 2018 no estúdio Family Mob (São Paulo), e contaram com dois dos melhores engenheiros de som do Brasil, Hugo Silva (responsável pela mix impecável) e David Menezes (que trabalha com bandas como Ratos de Porão, Surra, Desalmado…). Sobre a qualidade técnica de produção, a Manger Cadavre? estava nas melhores mãos.

O disco todo é muito bem executado, com destaques ao timbre do baixo de Jonas, que, ao lado do vocal de Nata Nachthenxen (cada vez mais preciso e característico), que dão um brilho especial às músicas. Os riffs que soam ora elementos do neocrust, ora do hardcore tradicional, seguem com uma bateria mais trabalhada que está muito bem preenchida e nos tons que entram em nosso âmago. A dupla de Marcelos trabalhou muito bem.

Antes de falar sobre as letras, vale indicar que você leia as letras pelo bandcamp, pois nessa plataforma, a banda disponibilizou texto adicional, com o qual você é inserido em uma história, na qual as letras estão no contexto.

O trabalho se inicia com “Patologia Sistêmica”, que é um som visceral, introdutório a temática: aquilo tudo que o sistema capitalista faz desenvolver doenças psicológicas como a depressão e ansiedade. Na sequência temos o som “vomitado” intitulado “Produtos do Medo”, no qual a banda apresenta o contexto da distopia neoliberal que cria medos e problemas, aos quais a publicidade vende soluções de consumo. Mesmo nesse momento de análise contextual, a banda já aponta que é preciso se mover. Em seguida temos “Fracasso” e “Caminhos de Ferro”, essa, por sua vez, pelo desenrolar da dinâmica do som e letra nos coloca no sentimento de quem está tendo uma crise de pânico ou ansiedade, até que ocorre uma quebra. Algo está por vir! “Hostil” é uma regravação lançada originalmente no EP “Origem da Queda” e posso dizer sem medo: que evolução. Apesar da estrutura do som ser o mesmo, os instrumentos estão claramente melhor timbrados, executados e a gravação superior. Dentro do contexto do disco, foi uma ótima escolha. Meu som favorito: “Desmascarar as mentiras”. Nessa sexta música temos algo de Obituary no instrumental e vocal que (mesmo que a banda tenha escolhido uma pegada mais hardcore para seguir), deixa claro as influências de death metal e grindcore que também possuem.

Inicio aqui um novo parágrafo pois os três últimos sons merecem um destaque por si só.

Foto por Stefano Martins

Sem estragar as surpresas que o disco esconde, copio aqui o parágrafo que inicia o som “Prefácio”:

“ O mal-estar te salvou de viver uma vida no modo-avião, na qual os cidadãos de bem são cegos e surdos e com o discernimento gravemente afetado. Como ser indiferente em um mundo tão cruel, em que tanta gente sofre? Como subir vidros em semáforos, com medo da violência, onde a gente vê pessoas execradas pelo capitalismo? A herança colonial que perpetua o racismo estrutural. A rotina da exploração, que é uma violência naturalizada, esmagou o que a gente é, e coloca a solidariedade como sinônimo de caridade. Não é! Solidariedade é entender o outro como um companheiro, como um igual e lutar para que ele, para que nós tenhamos uma vida digna. Nos tornamos tecnicamente capazes de fazer coisas que não somos capazes de imaginar. Sonhar? Os tempos são difíceis, mas ainda é possível. E nesse momento é o mal-estar que nos acusa o que resta de humano em nosso corpo. Se livre das receitas prontas de felicidade contidas em guias e livros de autoajuda. Nós somos AntiAutoAjuda. Estar doente de verdade, é estar feliz em sua bolha, com seus privilégios, frente à um mundo miserável. Sentir-se mal, é sinal de excelente saúde mental!”

Eu, particularmente, terminei de ler esse parágrafo com lágrimas nos olhos. Prefácio, que é o som mais hardcore do trabalho, nos convida a ver a realidade por uma outra perspectiva, sem romantização de doenças, mas que nos faz entender que não nos ajustarmos ao sistema não significa que a “peça” com defeito sejamos nós. “Há tempo para os sonhadores” é com certeza o som mais positivo da banda, que possui riffs dissonantes característicos do neocrust, como Wolfbrigade. Fechando o trabalho, entendo as dificuldades que ainda enfrentaremos e com o ser reconhecido, “A Luta como Cura” traz referências de Catharsis, com um vocal destruidor de Nata e backing vocal arrebatador de Caio Augusttus (Desalmado). E mais uma vez: que bateria! E que timbre de baixo mágico!

Desde o título (muito bem escolhido), AntiAutoAjuda é um trabalho reflexivo e que propões mudanças a partir da consciência de classe e encontro da função no ambiente coletivo como parte da cura. É um álbum que vai mexer com você. Vale ainda destacar a bela dedicatória que eles fizeram ao publicar o disco. Veja AQUI.

A arte fantástica foi elaborada pelo guitarrista da banda Marcelo Augusto, e na mesma podemos acompanhar o desenvolvimento das letras.

Com certeza um dos melhores trabalhos lançados em 2019. Extremamente necessário.


“AntiAutoAjuda” terá prensagem em 1000 cópias de CD, lançado pelo coletivo de selos: Sacrilégio Distro, Crust or Die, Xaninho Discos, Eletric Funeral Records, Vertigem Discos, Terceiro Mundo Chaos, Brutal Grind Records, Metal Island, Manaos Distro, Helena Discos, Resistência Underground e Sertão Attack Records.

Confira:
YouTube – https://youtu.be/qlMLuEmeYtY
Bandcamp: http://mangercadavre.bandcamp.com
Deezer: http://www.deezer.com/album/95256392
Spotify: https://spoti.fi/2V7QO1V

Outras plataformas:

Facebook: https://www.facebook.com/mangercadavre/ Instagram: https://www.instagram.com/mangercadavre/ Twitter: http://www.twitter.com/mangercadavre



Re-Animation “Exército de Fudidos”

Os saudosos da banda Cursed Sluaghter podem comemorar! O ex vocalista da finada banda montou um novo projeto com uma galera responsa do thrash crossover paulista: estamos falando do Re-Animation.


Com Daniel Pacheco no vocal, Marcelo Araújo na guitarra, Bruno Morais na bateria e Jhonata Figueredo no baixo, eles disponibilizaram o primeiro EP “Exército de Fudidos” em 2018, mas somente esse ano o material foi prensado em cd por envelope, com encarte. O lançamento saiu pelo coletivo de selos Helena Discos, HC80, Brado Discos e Poeira Maldita Records. As ilustrações do material são elementos à parte! Assinadas pelo nosso conterrâneo Wendell Narkedmi, mostra o exército da burguesia, com homens brancos engravatados ou com camisetas da CBF, fazendo a co-relação ao período do golpe contra o governo de Dilma.

“Herói do povo” abre o EP com uma introdução tensa que logo dá lugar a riffs velozes que chamam o mosh. A letra trata da classe média que ajudou a dar ao golpe ares de democracia. Elementos como armamentismo e as panelas estão presentes. Na sequência, temos “Escravo do Sistema”, por sua vez fala do trabalhador que vende sua força de trabalho, mas continua miserável frente aos donos do capital. Nesse som, mais uma vez o destaque fica para a guitarra do Marcelo, que trouxe o thrash pro crossover da banda. “Exército de fudidos” que entitula o trabalho, começa com a intro do “hino da dancinha dos patos” que marcou a época como uma das maiores vergonhas alheias. Esse é um som extremamente rápido, e que tem o destaque as batidas do Bruno. “Lixo Humano” fecha com muito peso e deboche. O som nos remete a clássicos do Ratos de Porão, e é pra nós, o melhor som.

Essa é uma das novas bandas que chegam com bagagem de sobra. Alguns detalhes de mix poderiam ter deixado as músicas ainda melhores, mas nada que tire a energia do EP. Agora é aguardar pelo próximo trabalho.

Links relacionados:

https://www.facebook.com/reanimationcrossover/
https://www.youtube.com/watch?v=3X2c1LNQ_PQ

DAMAGEWAR lança clipe de ‘Dead Eyes Upon Me’

A banda de death/thrash segue preparando seu full e acaba de lançar um videoclipe para o single ‘Dead Eyes Upon Me’, que serve como aperitivo para o álbum ‘Extinction’.
O clipe contou com as participações especiais de: Andy Souza (Gestos Grosseiros) e Adryane Devid e teve edição e produção por Marcello Kaskadura Marucci.

O mais recente EP, ‘Dead Skin Devourer’, lançado no ano passado, estreou a nova formação e de cara foi muito bem aceito pelos fãs e pela mídia especializada. Os críticos inclusive colocaram o EP entre os principais lançamentos brazucas do ano passado, entre os sites estão Arrepio Produções, Heavy Metal Thunder e Cangaço Rock. O trabalho também foi citado pelo portal chileno Headbangers Latinoamerica como um dos principais EP de 2018.

‘Dead Skin Devourer’, está disponível nas principais plataformas de música digital:

Spotify: https://open.spotify.com/artist/6b2xHgA9JX8HfhEJHUVeIq
iTunes: https://itunes.apple.com/br/album/dead-skin-devourer-single/1421413975
Google: https://goo.gl/SccH9v
Deezer: https://www.deezer.com/br/album/69827152

Links relacionados:
E-Mail: damagewaroficial@gmail.com
Facebook: http://www.facebook.com/damagewar
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCcl28w2wi-flsZGBWAQTAmw
Spotify: https://open.spotify.com/artist/6b2xHgA9JX8HfhEJHUVeIq
iTunes: https://itunes.apple.com/br/artist/damagewar/1421414945
Metal Media: http://metalmedia.com.br/damagewar

Via Metal Media